17 de mai de 2014

Conversa pra medalhão dormir

- Tá com sono?

- Não.

- Nem eu. Que horas são?

- Quase três.

- Tava tri a jantinha, né?

- A-ham! Que doideira o papo sobre o Machado de Assis.

- No vinho, a verdade. É dos suspiros de uma geração que fermentam as novidades de outra, parafraseando o Bruxo.

- Achei exagerada a discussão de vocês. Deviam ter puxado outro assunto. Contado piada, falado do eclipse, qualquer coisa.

- Pois é. Pior. Agora essa de que o texto machadiano fica mais acessível simplificando a escrita é dose.

- Nada a ver. Desvaloriza a inteligência da gurizada. Deixa a mente preguiçosa.

- Claro. Vai ver até aplicou a Teoria do Medalhão.

- Que é isso?

- Tem um conto, em Papéis avulsos, se não me engano, em que o personagem principal orienta o filho a ser um medalhão.

- Tipo um figurão?

- Não exatamente. Trata-se de quem se faz de mais importante, simulando conhecimentos que de fato não tem, evitando maiores reflexões.

- Boa! Tipo o quê? Como assim?

- Ah, que discorra sobre diversos assuntos, preferencialmente de metafísica, que se presta a réplicas e respostas sem deixar pensar a prática. Inclusive, aconselha ao seu pupilo a fugir de ideias próprias e pensamentos originais. Tal arte da imitação, seguida com esmero, reduziria a inteligência à disciplina, à sobriedade e ao equilíbrio necessários ao bom medalhão.

- Bem bolado. E poderia fazer citações?

- Alguma sim. Mas apenas senso comum. A "cabeça da medusa", "as asas de Ícaro" etc. Uma historinha de contrabando. "Filosofia da história" é um termo que recomenda o uso, sem nunca chegar a uma conclusão que não as já sacadas por outros.

- Filosofia?

- O piá pergunta a mesma coisa e ele responde que não. Digo, sim, só da boca pra fora. Na prática, zero. Poderia até ser filiado a algum partido, mas nada de militâncias.

- Putz! E do que falaria então?

- Análise de causas prováveis, certas. Coisas simples e de bom tom e todo um caminhão de conceitos e viagens. Sintetizando... Deu sono...

-Três horas.

- Dormir?

- Vamos, meu medalhãozinho.



Publicado em 16 de maio, ontem.

Nenhum comentário: