29 de nov de 2013

Peruca digital


Uma das grandes injustiças da moda é a não aceitação social da peruca. Colocou uma peruquinha atravessada na cabeça e todo mundo franze a testa. É ridículo, concordo. Quem quer bancar o Zacarias Trapalhão? O que me questiono é por que algumas coisas são eleitas como patéticas e outras não. A cabeleira postiça, por exemplo, perde feio em status pra dentadura. Não que as pessoas devessem andar por aí com a tampa do piano sempre fechada, porém mandar trocar todo marfim ainda novo, como faziam nossos avós, não chega a ser algo pra se mostrar os dentes. Apesar de que, atualmente, com os avanços da odonto e o menor relaxamento da turma, são cada vez menos bocas que sorriem as sete oitavas de dar dó. O fato é que a dentadura é mais aceita que o tal puxadinho de piroca. Quê? Não sabia que piroca é sinônimo de careca? Pois é. O termo é usado no norte do país e, embora mais pra baixo do equador tenha adquirido a outra conotação que o leitor está careca de saber, tem origem no tupi -pi'roka. Apesar da semelhante grafia, nada tem a ver com a palavra peruca que advém do francês perruque. Aliás, vale lembrar que entre os franceses o acessório foi moda da nobreza nos séculos 17 e 18, sendo guilhotinada após a Revolução.
Meu pai não curtia sua... calva. Quando mudei pra Pelotas veio com um papo de porque eu não colocava uma prótese capilar. Não é implante, nem é peruca, completava. É prótese capilar. Fica perfeito. Os caras sabem fazer o mesmo tipo de cabelo das laterais. Pode puxar que não sai. É colado. Dá pra lavar com xampu, entrar na piscina, na praia. Só tem uma coisa... A manutenção é com eles. Quando precisar trocar ou tirar tem que ir à firma deles. Como eu ia aparecer de repente com um topete de Elvis? As pessoas já acostumaram com minha deficiência de fios. É outra cidade, argumentou, não te conhecem. Claro que não rolou. Imagina. Quando fosse pra Porto faria o quê? Desatarraxar o aplique da piroca?

Agora surge uma nova oportunidade de revisitar o assunto. Olha essa. A Sony registrou a patente de uma peruca inteligente. A smartwig seria um multifuncional que combina cabelo falso com transferência de dados através do celular. Com chips e eletrodos seriam captados dados como temperatura e pressão do corpo do usuário, alimentando um aplicativo de controle de saúde. Além disso, a engenhoca também funcionaria como GPS, indicando caminhos de um destino pré-selecionado. E daria até pra receber aviso de e-mail ou aviso de chamada telefônica na careca. Tá vendo? O ridículo da coisa não sai da sua cabeça. Tô achando que a cabeleira inteligente ficará mesmo somente nos projetos da empresa japonesa. Ocorreu-me, entrementes, uma dúvida: o tal aparelho será wireless?



Nenhum comentário: