8 de jun de 2013

Agenda - O Livro dos Dias

Tô de mal com o calendário! Briguei com a folhinha. Não perco mais um dia com ela. Com o relógio já havia me desacertado faz horas. Nem olho pra não dar corda. Os dias carregam nas costas muito mais que números tiquetaqueando em sentido horário. Nossos compromissos são embalados a vácuo. 31 horas por dia. Sequer cabem na agenda. E tanto faz eletrônica, como tanto fez a analógica. As agendas são do mal. Não nos dão folga. Nem em final de semana ou feriado interrompem suas contagens agressivas. Dies ad quem?
Tentei me organizar várias vezes. Usei postit, agenda jeans. Então passei às agendas semanais. Sabe daquelas que têm a semana toda ali, em duas páginas? Pois é. No começo funcionou. Mas acabava esquecendo de anotar as cousas tão importantes a fazer. Páginas em branco depois ficava sempre uma sentença de esquecimento no almanaque das memórias. Culpa de quem? Da sexta santa? Da 13? Do sétimo dia? Da quarta de cinzas?
Não cheguei a adotar agenda eletrônica. Passei logo às virtuais. A mesma piada de sempre. Dia dos bobos! Shame on me. A informática que prometia nos libertar a vida para outros processamentos, escraviza mais e mais. Outro dia cadastrei agenda no Google, sincronizei com a do celular, com o e-mail e o escambau. Criei um monstro. Agora as tarefas zipadas me perseguem de outra dimensão. Batem a cada pouco no bolso da calça. A geringonça passa cavando ordem! De enlouquecer o candango. E o pior é que somos nós que a alimentamos para depois nos cobrar e apertar e apertar. Pior que chefe novo!
O trabalho, atrasado. Mil livros pra ler. Outros tantos por escrever. Filmes para assistir. Álbuns para ouvir. Brincadeiras por fazer. Piadas por rir. Amizades por cultivar. Mãos por dar. Fotos por tirar. A filha cresce. A planta cresce. Os gatos engordam. Somos prisioneiros apagando tracinhos na parede da cela. Einstein tinha razão. O tempo é absolutamente relativo quando começamos a envelhecer. Sim, estou ficando velho e cada vez mais estranho. E nesse trem somos gêmeos de nós mesmos, acelerando mais e mais. A crise da meia idade inicia aos trinta. Já passa de uma década que estou nessa. Compactado de mim mesmo. Cada vez mais e mais e mais.
Sou o coelho do País das Maravilhas. I'm late! I'm late! For a very important date! Date em inglês, além de data é encontro, compromisso. Sei eu lá se tem a mesma etimologia. Não tenho tempo de pesquisar. O fato é que estou atrasado. Estou atrasado. Estamos atrasados. A vida tá passando, sabia? Nem os postes ficam parados quando estamos na janela do trem. Um dos livros que estou preparando se chamará Agenda, o livro dos dias. Será outra coletânea de minhas efêmeras crônicas, organizada sob efemérides crônicas. Algo assim. Ora datas celebradas, ora desconstruídas. Tá ligado efemérides, né? Dia dos Pais, das Mães, Natal, Tiradentes, dos Mortos etc. Muitos dos textos já marcaram presença por aqui e se você é um dos dois ou três que escolheram o compromisso de me ler toda semana, talvez conheça vários pontos abordados. Estamos diagramando. Vai ficar bacana, Magnata!
Coloque na agenda, aí: lançamento do livro dos dias esse ano. Não faltar!! Efeméride é uma palavra que se refere a dia. Daí decorre efêmero, que seria algo com validade somente para o curto prazo. A rigor todo tema é efêmero. Toda palavra é. Toda ação é. Toda comemoração é. A vida é uma agenda com muitos compromissos anotados e apenas um espaço para, quem sabe, escrever: férias!

Publicado no DP de sábado.

Um comentário:

Francisco Antônio Vidal disse...

No País das Maravilhas todos somos neuróticos atrasados para a felicidade. Sim, "data" é o dia que se agenda, e em inglês datar=agendar. Eles põem data nos encontros, nós só agendamos (na efeméride, sem rigor de hora). Lá eles não têm minuto a perder.

Pelo que sei, em latim DATA é o plural de DATUM. No final dos documentos colocavam: "dados em 8 de junho de 2013", acredito que significando "ocorridos, anotados, recebidos", talvez até fossem notas comerciais mesmo. O comércio governa o mundo e até nossos étimos. DATA ficou como sinônimo de dia; já o inglês entendeu como "compromisso marcado".