31 de dez de 2009

10...9...8...




Estamos sempre esperando por algo na vida. Desde o início esperamos. Primeiro esperamos pra nascer enquanto nossa mãe nos esperava. Depois esperamos que nos alcançassem as coisas. Nas mãos. Na boca. Aprendemos a esperar antes de aprender a pedir o que queríamos. E então aprendemos o significado de “espera”. Palavra de ordem. Depois esperamos a professora nos ensinar que vovô viu a uva e o verbo to be. E diante da questão que a cada dia a vida nos colocava fomos aprendemos a esperar por algo novo. Esperamos crescerem os pelos, para poder raspá-los. Esperamos as questões existenciais da juventude. Esperamos as certezas da maturidade. E esperamos toda vida pela meia noite do dia 31 de dezembro para comemorar com pirotecnias a esperança de uma nova vida no minuto seguinte. Esperamos o trabalho. As férias. A segunda-feira. O feriadão. O Carnaval. O final de semana. Esperamos o ônibus. O elevador. O 13º. Esperamos a casa própria, o carro, o grande prêmio. Esperamos na janela. Esperamos na fila. Esperamos Jesus. O Céu e o fim do mundo. Esperamos pela ciência. Pela cura do cancer. Esperamos pela uva que o vovô viu e suas questões existenciais da juventude. Esperamos justiça. Esperamos sentados. E esperamos o grande amor de nossas vidas. E juntos esperamos alguém pra ensinar a palavra de ordem e pra perguntarmos tudo o que não descobrimos sozinhos, nem com a professora, nem com o vovô. Esperamos o divórcio, a partilha dos sonhos, da casa, do carro, dos filhos, das uvas. Esperamos o aviso-prévio. A missa de sétimo dia. A aposentadoria. Esperamos outro amor, o grande amor de nossas vidas. Casa. Carro. Filhos e filhos dos filhos. E esperamos que nossos netos nos alcançassem às mãos, as coisas que sempre quisemos sem saber como pedir. Esperamos bocas cheias de respostas. E um dia só nos restará esperar o dia em que não teremos mais o que esperar. A esperança só morre depois de nós e se tivermos alguma sorte talvez alguém nos responda, antes que seja tarde, a questão que a vida nos colocou desde o início: o que esperamos afinal? 3...2...1!

Um comentário:

Angela Dal Pos - Morena de Pintas disse...

então, chega de esperar para 2010. Vamos fazer acontecer. Bj e Feliz zno novo!