22 de mai de 2009

Os usuários

Cada vez se escreve mais e menos. Hein?? [entrar explicação, entrar explicação] Quero dizer: mais e mais pessoas escrevem textos menos extensos. Do romance pro conto, a redução pegou carona no vagão da era industrial. A leitura tinha que durar uma viagem de trem. Um só enredo. Um só efeito. Mais recente, o miniconto tornou o texto bem mais enxuto. É minivan. Passa batido. Pegou, pegou. Não pegou? Espera que vem mais. Poucas palavras, mas com direito à janelinha. Pode ser lido em qualquer lugar. Sentei no fundão de olho no livretinho em forma de caixinha de fósforos. As palavras fumegando no pensamento. A retina pendurada no chocalho das palavras. [exemplo!] Dizia assim: “ELVIS NÃO MORREU”, travessão, “Então, me vê mais dez gramas.” É do Samir Mesquita. Ótimo, né? Pô, o cara é 10! E porque gostamos? Porque temos pressa. Queremos efeito rápido. É como uma droga. Dependência. Fissura. Tremor. Mais sensação e menos prosa. Queremos novas idéias. Viver muitas vidas em poucas linhas. A crônica também acendeu, desde o século passado, uma chama devoradora ao leitor das maluquices da vida moderna. A turma não quer esperar. O conto é um vinho, degustado lentamente. A crônica é o chopp bem gelado e o miniconto é tapa na pantera! E com a internet muita gente tá escrevendo e tornando pública suas percepções e manias. Claro que a qualidade é escoltada pela quantidade das besteiras que se escreve. Normal! Com o texto impresso já era assim. Dos folhetins aos blogs os caracteres aceitam qualquer papel. Pode ser escrito por qualquer um, ou escroto por qualquer um. [rápido, risca o palito - tsssssssss] Podem deletar quase tudo e queimar tantas cópias impressas. Não importa! Do que ficar, algo será chamado literatura qualquer hora dessas. E que tal os miniblogs, no que se tornarão? Minicrônicas? A opinião restrita a 140 caracteres? Talvez sim, talvez quem sabe. No Twitter li duma guria que estava indo pra facul, tinha prova e achava que ia chover. Ok. Ok. Ninguém liga se o outro tem algo a dizer desde que diga rápido. Alguns mais eruditos comentam lançamentos de livros, filmes recém vistos, coisas bacanas e rapidinhas que serão lidas por outros que se acham mais eruditos ainda. [atenção, ironia: entrar no 3] Lembrei¹ agora do famoso² texto do Scliar³, “Os contistas” que dizem que é conto, mas acho que é uma crônica composta por vários minicontos. Poderia ser reescrito com a nova roupa virtual. “Os usuários”, seria o título. E traria um pouco dessa loucura das micronarrativas sendo escritas de um viciado em letras para outro. Disputas de belezas pra ver quem escreve mais rápido e brilhante. Bem não vou me estender muito neste texto, pois estou ansioso pra terminar o livrinho do Samir e ainda quero dar uma espiadinha no Twitter.

7 comentários:

Hilton disse...

Olha parabens pelo seu blogger completo. Ele é um exemplo. Peço que visite o meu, ainda éuma criança, mas disso tudo tem muito a crescer. Grande abraço!

Márcio Ezequiel disse...

Valeu, Hilton. Volte sempre. Vou visitar teu blog sim.

bubok disse...

Olá Márcio.

O meu nome é Marta e entro em contacto contigo através da Bubok (www.bubok.pt), um serviço de auto-publicação online que pretende dar a qualquer autor a possibilidade de se converter no seu próprio editor e publicar as suas obras sem custos ou limites.

A Bubok põe à tua disposição todas as ferramentas e serviços que necessitas para puderes publicar e vender as tuas obras, em formato electrónico ou em papel. É um serviço de publicação sob encomenda. Ou seja, somente se imprimem os livros encomendados, não sendo necessário um número mínimo para o fazer e sem originar excedentes.

O nosso lema é:
Tu escolhes - Tu tens o controlo absoluto de todo o processo editorial para que definas todos os aspectos do teu livro, desde o formato ao desenho, ao preço e à promoção.
Tu ganhas – Para além de ter a satisfação de poder publicar as tuas ideais facilmente, tu ganhas sempre. Na Bubok o autor recebe 80% dos lucros dos livros vendidos.
Tu contas - Na Bubok não existem autores melhores ou piores que recebam um tratamento diferente dependendo do seu "potencial". Todos os autores são importantes e o essencial é que se tens algo para contar, que o possas fazer sem que nada limite as tuas possibilidades.

O processo de publicação é muito fácil, só tens de seguir 5 passos fáceis e verás como o teu sonho se torna realidade:
1. Carregar o teu ficheiro em formato pdf, doc ou ppt.
2. Completar o formulário com os teus dados e os dados sobre a tua obra.
3. Escolher as características físicas do teu livro: tamanho, tipo de encadernação, capa, cor do papel, etc.
5. Dar um preço à tua obra: podes optar pelo preço de custo ou ganhar dinheiro com cada venda. Lembra-te, ficas com 80% dos lucros.

Espero que te entusiasmes e vás visitar a nossa página web e, quem sabe, publicar alguma obra. A Bubok faz-se com as tuas ideias e os teus livros à tua maneira… Publica sem limites!

Qualquer dúvida que tenhas, não hesites em contactar-me.

BUBOK
www.bubok.pt
marta.furtado@bubok.com

Ruty Elane disse...

Cara, gostei do que você disse, e até fiquei com medo de te convidar para conhecer o meu blog… Agora, me apresento. Sou Ruty, uma menina que através da comunidade “Oficina Literária Cult” acabou chegando ao seu blog. No mais, tendo um tempinho, dá uma olhada lá e lança também os teus rojões…
Xeru!

Márcio Ezequiel disse...

Valeu, Ruty. Já dei uma espiadinha nos teus escritos e gostei. Vou olhar com mais calma depois e pipocarei uns foguetinhos com certeza. Os fósforos carrego sempre no bolso :)

Cesar Cruz disse...

É, Márcio... agora, que já li 4 textos teus, posso afirmar: és bom, rapaz! Cara, vou te falar... Como há lixo nestes blogs, meu Deus! Acho que isso inclui o meu, hehe! Mas é verdade o que dizes: a quantidade acaba, naturalmente, tendo um efeito inverso no que tange a qualidade.

Dia desses fiz uma crônica que trata, aliás, da diferença entre contos e crônicas, coisa que de certa forma vc fala aqui neste texto... Bem, acho que, depois de ler estes tantos textos teus, já é hora de me fidelizar para acompanhá-lo. Lá vou eu dar os cliques necessários para tal.

Abraços paulistanos
Cesar Cruz

Simplesmente Rose disse...

delícia a pequena cronica...vou-me embora para o twitter...congrats