25 de mar de 2008

Parábolas de Ezequiel - III












Detalhe de Pintura do velho Pieter Bruegel. Adoração dos Magos.

Os dois irmãos

O governo é semelhante a um homem que tinha por empregado dois irmãos: um ladino e outro tolo. Certa vez, um deles perguntou-lhe: Senhor, por que nos dais o mesmo pagamento, sendo eu tão diverso de meu irmão? E o patrão assim respondeu: acaso haveria algum proveito em semear a discórdia entre meus servos? Há sentido em separar o joio do trigo antes da colheita? Oh, Tolo! Aceitai vosso papel, pois enquanto vós trabalhais por dois, o outro me bajula para que não lance ambos aos porcos. E assim será até a consumação dos dias. Quem dentre vós tiverdes dois ouvidos cobri-os, pois às vezes melhor é nada ouvir que mau-entender.

Nenhum comentário: