16 de ago de 2007

Elvis phone home








"Eu não imito ninguém."
Elvis Presley



Hoje fez 30 anos que Elvis sumiu. Alguns ainda dizem que o viram por aí. Teorias de conspiração apregoam que forjou a própria morte e fugiu para algum lugar da América do Sul com o nome de John Burrows. O dia foi escolhido: 16/08/1977 que com os dígitos somados resulta em 2001, título do filme favorito do ídolo e cujo tema abria suas apresentações em Vegas. Apenas um dos muitos supostos indícios. Pirações a parte ele ainda é o artista falecido que mais fatura no mundo.

Filmes como Independence Day e MIB brincam que teria voltado para casa (o espaço). Quem sabe nestas efemérides em que as imediações de Graceland ficam repletas de impersonators (imitadores) ele não ande lá pelo meio, disfarçado de fã.


Leia abaixo o texto que escrevi em 2005, quando o cantor completaria 70 anos.




Taking Care of Business

Márcio Ezequiel

É impressionante o resultado da criatividade humana sobre as grandes criações. O homem cria, copia, transforma e por fim destrói. Sempre dá um jeito de destruir. Não foi por pouca coisa que Santos Dumont se suicidou. E sequer foi pela forja dos irmãos Wright. “That´s all right!” Foi por ver seu invento usado para fins bélicos. Einstein não chegou a tanto, mas deve ter relativizado muito ao ouvir que teve dedo (ou neurônio) seu nas bombas atômicas detonadas na segunda guerra. Quem deveria mesmo ter se suicidado foi Graham Bell. Por favor! O telefone transformou-se na pior bomba do século XXI. Secretárias eletrônicas, tele-mensagens, tele-marketing, enquetes televisivas, celulares (pré e pós-pagos em todas as cores e tones insuportáveis), operadoras telefônicas enfim a coisa toda exige uma bolsa escrotal de banda larga! Já imagino a inteligência artificial surgindo a partir desses pequenos monstros. Não haveria exterminador capaz de controlar tamanha ameaça. Mas não sejamos tão injustos com as pobres máquinas que ainda não adquiriram consciência própria. Pior são os operadores humanos por trás dos microfones dos tele-atendimentos. São friamente treinados para agir sem consciência alguma. Inteligência? Os seus patrões têm de sobra.
É o caso das prestadoras de cartão de crédito. Cancelar um cartão depois de assiná-lo é uma tarefa praticamente impossível.

Inicia-se ligando para o número que consta na fatura: 40014455, que não é gratuito, claro. Atende uma voz eletrônica:

- “Atendimento ao cliente Credincruz, digite o número do seu cartão.”

4004 3754 8789 0542 9 - digito rapidamente

- “O número digitado não existe. Digite o número do seu cartão.”

4 0 0 4 3 7 5 4 8 7 8 9 0 5 4 3 9 – teclo pausadamente dessa vez.

- “Para saldo, digite 2; para detalhamento da fatura, digite 3; para comunicar a perda ou roubo do cartão, digite 4; para qualquer outra informação, digite 5; para falar com um de nossos atendentes, digite 6.”

- "Seis... aguarde um instante, logo estaremos atendendo você...”

Rubberneckin´Remix toca enquanto se aguarda. Tudo superanimado. É a filosofia da empresa.

8 segundos depois...

- Credincruz, bom dia, atendente Miguel as suas ordens - diz o funcionário com leve sotaque paraibano. Leve, pois eles são treinados para só falarem com sotaque se for necessário.

- Bom dia. É o seguinte: eu tenho um cartão titular, mas não o estou utilizando, apenas o mantenho para que minha esposa utilize o cartão adicional. Não acho vantajoso pagar a anuidade que veio na fatura deste mês, gostaria de fazer o cancelamento.

- Cancelamento, senhor?

- Sim, na verdade ela pretende adquirir seu próprio cartão titular.

- O senhor deve ligar para o número 40019944 , que é o setor responsável.

- Ok. Obrigado.

4 0 0 1 9 9 4 4

- "Você ligou para 40019944, se estiver em uma capital, ligue para 40019955, se estiver em qualquer outra cidade do interior, ligue para 080040019933." Detalhe: para o interior é 0800, gratuito, nas capitais tem que pagar! Como se não bastasse, o número indicado para as capitais é o mesmo aquele, o da fatura.

4 0 0 1 9 9 5 5

- “Atendimento ao cliente Credincruz, digite o número do seu cartão.”

4 0 0 4 3 7 5 4 8 7 8 9 0 5 4 3 9

- “Para saldo, digite 2; para detalhamento da fatura, digite 3; para comunicar a perda ou roubo do cartão, digite 4; para qualquer outra informação, digite 5; para falar com um de nossos atendentes, digite 6.”

- "Seis... aguarde um instante, logo estaremos atendendo você...”

Rubberneckin´ tocando. Já não parece tão animada quanto da primeira vez. Não é o remix. A inteligência artificial do computador deles já identificou que estou ligando novamente.

- "Credincruz, bom dia, atendente Michele às ordens" - hoje desconfio de que fosse o mesmo Miguel fazendo voz de mulher com o leve sotaque de carioca.

- É o seguinte..., eu liguei ainda há pouco... eu tenho um cartão, cartão titular, mas não o estou utilizando, apenas minha esposa utiliza o adicional. Não tem sido vantajoso para mim ... - a esta altura me liguei que ela/ele não atenderia minha solicitação e pergunto: seria contigo?

- O senhor deve ligar para o número...

- Já liguei, moça, e uma voz eletrônica me deu esse número que é o mesmo que está na fatura!

- O senhor está ligando de uma capital?

- Sim.

- Só um momento estou transferindo para o setor responsável.

Memories tocava e uma voz com eco ressoava ao fundo como se derretesse para dentro do ouvido:

- “Por favor aguarde, nossas posições estão ocupadas, logo estaremos atendendo você...”

2 minutos de repetição e caiu a ligação!

4 0 0 1 4 4 5 5

- “Atendimento ao cliente Credincruz, digite o número do seu cartão.”

4004 3754 8789054 3 9

- “Para saldo, digite 2; para detalhamento da fatura, digite 3; para comunicar a perda ou roubo do cartão, digite 4; para qualquer outra informação, digite 5; para falar com um de nossos atendentes, digite 6.”

- “Seis...”

Já não há música alguma. Só o silêncio. 54 eternos segundos se passaram à R$3,00 o minuto.

Indicador no gancho! Dedo médio no redial. Estou ficando esperto e não vou digitar tudo novamente.

40014455400437548789054396

- " Hello, Mr.Burrows residence."- atende com uma voz suave alguém de algum do lugar do exterior. Desligo rapidamente, mas já foi tarifado. Não! Nunca use o redial com tantos números na memória.

4 0 0 1 4 4 5 5

- “Atendimento ao cliente Credincruz, digite o número do seu cartão.”

4004 3754 8789 0543 9

- “Para saldo, digite 2; para detalhamento da fatura, digite 3; para comunicar a perda ou roubo do cartão, digite 4; para qualquer outra informação, digite 5; para falar com um de nossos atendentes, digite 6.”

- “Seis...”

- Credincruz, boa tarde, só um momento por favor.

Agora toca “Viva Las Vegas”.

- Só mais um momentinho, por favor.

Que coisa! Como podem saber que gosto de Elvis?

- Quem me dera o dia tivesse mais de 24 horas...

Ouço um risinho no fundo.

- Alô, alô!Tem alguém aí?

- Sim, bom dia, atendente Mikael às ordens.

- Olha, já faz horas que estou tentando ser atendido e não consigo.

- Pois não, senhor?

- É o seguinte: Eu quero cancelar a droga do meu cartão titular e o adicional, pois não tenho interesse em continuar mantendo a titularidade somente para minha esposa utilizar o cartão.

- O senhor não está utilizando o cartão titular, correto?

- É, não estou.

- O senhor não tem interesse em manter essa excelente linha de crédito, aceita em 150 países e mais de 20 milhões de estabelecimentos por todo o mundo?

- Não.

- O senhor aceitaria uma redução no valor da anuidade para continuar desfrutando das vantagens de seu cartão Credincruz?

Penso comigo: só se for para não pagar mais nada, caso contrário cancelo estas porcarias.

- Não seria possível conseguir uma isenção? – arrisco no embalo de “It´s now or never.”

- Só um momento senhor, estarei consultando a administração para analisar sua proposta.

Começa a tocar “If I can dream.”

Meia música depois...

- Hoje é seu dia de sorte, consegui uma excelente proposta para o senhor: isentaremos a taxa do cartão titular e o senhor terá que pagar somente o cartão adicional.

- Fechado.

Ganharam mais uma vez. Ano que vem veremos.

Ainda bem que não tocou “Always on my mind”, pois acabaria pagando o valor total exigido na fatura.

...Give me, give me one more chance
To keep you satisfied,

satisfied.

3 comentários:

Taís Luso de Carvalho disse...

rsrsrs, tá muito engraçada essa crônica. E trágica. Ezequiel, falo desse assunto também no meu blog ‘Consumidor, cuidado!’. Mostro o estado de loucura que ficamos, falo na musiqueta fuleira que nos obrigam a escutar, e outras coisas da ‘escolinha deles’. O que li aqui leva qualquer um à loucura. Mas é como ficamos no momento em que queremos cancelar um contrato por justa razão, como foi o caso do falecimento de meus pais. Eles queriam a assinatura de meu pai! Tive de enviar a certidão de óbito para Curitiba. É uma máfia.
Gostei muito.

Um abraço
Taís

Márcio Ezequiel disse...

Olha aí mais um exemplo da sensibilidade coletiva (eufemismo para senso-comum, hehehe). Vou passar lá pra dar uma lida.
Agradecemos a sua ligação e tenha uma boa noite.

Duo Blog disse...

Sua crônica foi muito importante para nós!...rs
Perfeito, Márcio. E "Credincruz" foi um achado...

Parabéns!
Dino Filho